Gabriela Zago
por — 18/07/2011 em Artigos

Por dentro da rede social WocoNews

A jornalista Gabriela Zago analisa a nova comunidade virtual brasileira de notícias.

Por (@gabizago‎)

Recentemente foi lançado o site brasileiro WocoNews.com (World Community News). Com a proposta de ser uma rede social de notícias, a página permite que qualquer usuário crie um perfil, adicione contatos e passe a postar notícias de até 255 caracteres – mais ou menos o tamanho de um lide. Há ainda a possibilidade de acrescentar imagens e vídeos às postagens.

A rede social já nasce com algumas iniciativas ousadas, como o fato de ser trilíngue – português, espanhol e inglês – e a proposta de divisão dos espaços de publicidade. Além disso, em vez de se ter “contatos” ou “amigos”, tem-se “colaboradores” e “com quem colaboro”, nomes mais simpáticos para designar os seguidores e os seguidos, e que faz sentido dentro da proposta da rede social, de se dizer “Tudo o que está acontecendo no mundo neste exato momento, por você!”.

O resultado é uma mistura de webjornalismo participativo (o leitor faz a notícia) com site de rede social (há contatos, possibilidade de visualização da lista de contatos dos outros usuários, e ainda de troca de informações entre os interagentes) e microblog (as postagens são exibidas em ordem cronológica inversa e há uma limitação de tamanho a cada atualização).

Os termos de uso avisam que, embora o usuário seja plenamente responsável pelo conteúdo que posta no site, a WocoNews pode usar, copiar, reproduzir e modificar esse conteúdo como quiser. Um pouco menos restritivo do que nos espaços de colaboração vinculados a portais de notícias (nos quais geralmente o conteúdo passa a ser de propriedade do site após a publicação), e um tanto mais parecido com o que oferecem outros sites de redes sociais, como Twitter ou Facebook.

ESPAÇOS PUBLICITÁRIOS EM CADA PERFIL

A divisão de espaços de publicidade parece ser o aspecto mais inovador. Porém, há poucas informações no site a respeito. A ideia é que o usuário possa administrar um terço de seus espaços de publicidade – podendo vendê-la como quiser. Um terço dos espaços fica para o site, e outro terço é voltado para entidades sociais, à escolha do site ou do usuário. Talvez a ferramenta fosse mais útil se o serviço contivesse explicações mais detalhadas, ou ainda espécies de manuais com dicas de como obter patrocínio e de como administrar seu próprio espaço publicitário.

Conforme detalhado nos termos de uso do site, o usuário pode negociar com terceiros até sete espaços de publicidade, sendo três na forma de banner e quatro na forma de recomendação no perfil, com o logotipo do anunciante. Ao todo, são nove espaços para banners e doze para recomendações no perfil.

Apesar da proposta interessante, a rede não parece possuir um foco específico – pode tanto ser usada por veículos, quanto por blogueiros, ou por cidadãos comuns. De fato, uma rápida olhada nos usuários mais ativos permite perceber essa multiplicidade na apropriação. Uma categorização seria útil, não necessariamente pelo tipo de perfil, mas talvez pelo tipo de conteúdo postado. Nesse sentido, a utilização de tags poderia contribuir para desenvolver esse potencial. Se a proposta é compartilhar o que está acontecendo, talvez uma organização por assunto seja mais interessante do que uma organização por perfil.

INTERAÇÃO E CONTEÚDO ORIGINAL

Em 2007, o site argentino 20palabras.com.ar surgiu com a proposta de permitir a postagem de notícias de até 20 palavras cada. Não era propriamente uma rede social – havia uma equipe de repórteres que postavam a partir de dispositivos móveis. O site não durou muito tempo (permaneceu no ar por seis meses). Mas alguns trunfos podem ser levados em conta ao se pensar a ideia de notícias em um site de rede social com limitação de espaço, como a associação com mobilidade, a separação do conteúdo por editorias e a possibilidade de comentários em cada notícia publicada – aspectos em geral ainda não contemplados pela WocoNews.

Interagentes usam sites de redes sociais não só para postar conteúdo original como também para reproduzir atualizações e para manifestar opinião acerca dos acontecimentos. O WocoNews.com parece manter o foco apenas na postagem de conteúdo original – é possível “republicar” conteúdo postado por outros usuários, ou mencionar alguém, mas a interatividade termina por aí. Poder associar comentários a uma publicação original ou mostrar quantidade de republicações de uma mesma notícia são recursos que poderiam enriquecer a experiência de uma rede social de notícias.

Por ser uma rede nova, talvez fosse interessante também explorar a relação com outras redes – seria bom, por exemplo, poder compartilhar cada notícia no Facebook ou no Twitter, através de links. Desse modo, pode-se tanto atrair novos leitores para o site, como contribuir para torná-lo mais conhecido.

No mais, configura um interessante espaço para troca de informações de notícias, com o potencial de ser apropriado para diversas finalidades.

Sobre o autor |

Jornalista, doutoranda em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, professora dos cursos de Design da Universidade Federal de Pelotas.

Siga Gabriela Zago no Twitter Siga Gabriela Zago no Facebook
Gabriela ZagoPor dentro da rede social WocoNews