Mario Cavalcanti
por — 09/05/2011 em Notícias

Manifesto objetiva repudiar os infográficos de ficção

Lista de boas práticas quer combater gráficos que apresentam dados fictícios

Reprodução
Infográfico do New York Post. Apontado pelo manifesto como um dos que apresenta ficção (reprodução).

RIO DE JANEIRO (Da Redação), 9 de maio – Especialistas em jornalismo visual se reuniram para montar uma espécie de manifesto que tem por objetivo combater os infográficos de ficção, ou seja, aqueles que apresentam dados fictícios. A ação é fruto de uma parcela de infografistas de renome que vem se preocupando cada vez mais com gráficos inventados, como os muitos que foram publicados recentemente na cobertura da morte de Osama Bin Laden.

No texto, o diretor de Infografia e Multimídia da Revista Época, Alberto Cairo, e o jornalista Juan Antonio Giner listaram alguns princípios éticos que devem nortear os gráficos informativos (veja abaixo). O manifesto, que já tem apoio de jornalistas e infografistas pelo mundo, foi publicado no NiemanWatchdog, site da Fundação Nieman para o Jornalismo,
da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

BOAS PRÁTICAS NA ELABORAÇÃO DE GRÁFICOS

1. Uma infografia é, por definição, uma amostra visual de fatos e dados. Não se pode elaborar um gráfico sem informação confiável;

2. Nenhuma infografia deveria incluir elementos que não são baseados em fatos;

3. Nenhuma infografia deveria se apresentar como fato quando está baseada na ficção ou em pressupostos não verificados;

4. Nenhum infográfico deveria ser publicado sem citar suas fontes de informação;

5. Profissionais de infografia deveria recusar trabalhos baseados em suposições ou invenções para conseguir um efeito mais espetacular. Os diretores dos veículos não devem pedir gráficos que não correspondem com dados comprovados;

6. A infografia não é ilustração, nem arte. É jornalismo visual e deve seguir as mesmas normas éticas das outras áreas da profissão.

EM TEMPO:

Veja aqui uma galeria de infográficos sobre a morte de Osama Bin Laden. JW.

Mario CavalcantiManifesto objetiva repudiar os infográficos de ficção