Mario Cavalcanti
por — 15/03/2011 em Notícias

Sites de notícias já lucram mais que jornais nos EUA

Conclusão é de novo levantamento conduzido pelo Pew Research Center

DivulgaçãoRIO DE JANEIRO (Da Redação), 15 de março – A audiência e a receita publicitária dos sites de notícias dos Estados Unidos ultrapassaram o número de leitores e o ganho oriundo de
anúncios dos jornais impressos. A conclusão é da nova edição da pesquisa The State of the News Media, conduzida anualmente pelo Pew Research Center e divulgada nesta semana.

Segundo o levantamento, o faturamento dos jornais impressos obtido com publicidade despencou 46% nos últimos quatro anos, encerrando o ano de 2010 com US$ 22,8 bilhões. Em contrapartida, a receita com anúncios nos sites de notícias chegou a US$ 25,8 bilhões. O órgão informa ainda que os impressos investiram US$ 3 bilhões em seus sites.

Uma procura maior por informações no meio online também é apontada pelo estudo. Entre os entrevistados, 40% afirmaram buscar notícias nos jornais de papel três vezes por semana, contra 46% que disseram procurar notícias na Internet com a mesma frequência.

TELEVISÃO ONLINE NOS EUA JÁ SUPERA A TV CONVENCIONAL

Outro recente estudo, conduzido pela PricewaterhouseCoopers (PwC), apontou que a televisão online e a imprensa digital já superam o consumo de mídias tradicionais nos Estados Unidos.

Segundo o levantamento, os usuários norte-americanos com idade entre 18 e 60 anos dedicam 7,3 horas por semana a ver televisão na Internet, seja por transmissão ao vivo (live
streaming) ou a partir de vídeos por demanda (em sites como o YouTube). Já o consumo televisivo tradicional alcança 6,1 horas em média. A absorção online é maior entre os jovens
adultos, com idade entre 18 a 34 anos, que gastam cerca de 8 horas semanais em comparação as 5,6 horas que usam para ver TV tradicional.

A pesquisa também revelou que os americanos dedicam, em média, 4,4 horas por semana para ler jornais, revistas ou livros através do computador ou de seus dispositivos móveis. O número cai para 1,9 horas no formato impresso. JW.

Mario CavalcantiSites de notícias já lucram mais que jornais nos EUA