Mario Cavalcanti
por — 30/11/2010 em Notícias

Wikileaks muda a relação mídia-leitor, diz Repubblica

Diário italiano fala sobre a importância do site que vaza segredos de governos

DivulgaçãoAo disponibilizar dados diretamente para o público, o Wikileaks trouxe mudanças extremamente significativas para a relação entre a mídia noticiosa e o leitor. Essa é a opinião do jornal italiano La Repubblica em relação à organização sem fins lucrativos que publica, em seu site, informações confidenciais vazadas, de governos ou empresas, sobre assuntos delicados.

No último domingo (28), o Wikileaks divulgou cerca de 250 mil documentos diplomáticos confidenciais do Departamento de Estado dos EUA. Os "cables", como os documentos foram chamados, revelam segredos da política externa americana entre dezembro de 1966 e fevereiro deste ano, caso que está começando a ficar conhecido como Cablegate. Entre outros, o material revela que as embaixadas americanas foram instruídas a "espionar" líderes da Organização das Nações Unidas (ONU), incluindo o secretário-geral, Ban Ki-moon.

O La Repubblica está entre o grupo de grandes jornais selecionados pelo próprio Wikileaks para receber o material confidencial. Os outro são: Der Spiegel (Alemanha), El País (Espanha), Le Monde (França), The Guardian (Reino Unido) e The New York Times (EUA). De acordo com o jornal americano, os cinco diários receberam os "cables" há algumas semanas, mas os cinco veículos decidiram publicar o material online apenas no domingo. Segundo o britânico Guardian, Um aviso sobre as intenções de publicar os documentos foi dado ao governo americano.

Para o La Reppublica, a decisão de publicar o material primeiro no meio online foi significante. O diário italiano aponta o último dia 28 de novembro como "o dia que mudou a notícia", pois nenhum dos  veiculos envolvidos questionou se deveriam publicar no impresso ou na Web. Todos optaram, por conta própria, por soltar as informações na Internet, o que geraria uma repercussão e uma discussão muito maior e mais ativa entre os leitores. JW.

Mario CavalcantiWikileaks muda a relação mídia-leitor, diz Repubblica