Tablet e smartphone. Fonte: flickr.com/miniyo73
29/04/2014

Tablet faz uso de Internet crescer entre idosos, diz estudo britânico

Pesquisa da Ofcom aponta ainda que conteúdo gerado por usuário é considerado fonte de informação relevante entre os mais jovens.

RIO DE JANEIRO (Da Redação), 29 de abril – Um estudo divulgado nesta terça-feira (29) pela Ofcom, a agência reguladora de telecomunicação do Reino Unido, aponta que o uso de Internet entre os mais velhos cresceu na região, graças principalmente aos tablets. A pesquisa – Adults’ Media Use and Attitudes Report – traz evidências do uso de mídia entre adultos britânicos, e cobre TV, rádio, mobile, games e Internet.

De acordo com o estudo, houve crescimento em diversas atividades online, particularmente entre atividades de entretenimento e comunicação. Além disso, foi constatado que o conteúdo gerado pelo usuário é uma fonte de informação relevante entre os entrevistados, embora os usuários sejam mais propensos a receber do que a contribuir com conteúdo.

IDOSOS ESTÃO MAIS CONECTADOS NO REINO UNIDO

Pelo menos oito em dez (83%) adultos estão conectados com algum tipo de dispositivo em algum lugar. Quase todos os entrevistados entre 16 e 24 anos e entre 25 e 34 anos estão online (98%), e houve um aumento de nove pontos percentuais entre as pessoas com mais de 65 anos (42% contra 33% em 2012).

O número de adultos que usam tablets para ficar online quase dobrou, indo de 16% em 2012 para 30% em 2013. Entre os usuários que estão na faixa etária de 35 a 64 anos, o número dobrou, enquanto na faixa de 65 a 74 anos, triplicou, indo de 5% para 17%.

Seis em cada dez adultos do Reino Unido (62%) agora usam um smartphone, um aumento de 54% em relação ao ano de 2012. Este aumento foi impulsionado pelas faixas etárias de 25 a 34 anos e 45 a 54 anos. E aqueles com idade entre 65 e 74 anos estão quase duas vezes mais propensos a usar um smartphone agora do que 2012 (20% contra 12%).

ATIVIDADE MÓVEL CRESCE PRINCIPALMENTE ENTRE ADULTOS E JOVENS ADULTOS

O aumento do uso de telefones celulares vem refletindo no crescimento das atividades a partir desses aparelhos. As principais atividades dizem respeito a comunicação e entretenimento. Mais da metade (55%) dos usuários já enviaram ou receberam emails a partir de celulares, e usam os aparelhos para acessar aplicativos ou sites de redes sociais. Além disso, quatro em cada dez usuários já usaram celulares para colocar fotos ou vídeos em sites como o YouTube, enquanto o mesmo número (38%) usam o dispositivo para mensagens instantâneas. Quase três em cada dez já usaram serviços como Skype ou FaceTime em telefones celulares.

O estudo constatou também que um terço dos usuários de celular agora diz que compra coisas através do aparelho (33% contra 23% em 2012) ou usa para verificar o saldo bancário (34% contra 25% em 2012).

CONTEÚDO GERADO POR USUÁRIO COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

A pesquisa aponta também que o conteúdo gerado por usuário (CGU) é uma fonte de informação relevante entre os entrevistados, embora os usuários sejam mais propensos a receber do que a contribuir com conteúdo. De acordo com o estudo, 98% dos adultos online dizem que usam motores de busca, 59% dizem que usam YouTube para obter informações, e metade (51%) usam Wikipedia ou recomendações online de amigos. Quatro em cada dez (44%) usam comentários de usuários e 38% usa grupos fechado no Facebook. Os jovens com idades entre 16 e 24 anos são mais propensos a usar o YouTube (75%) e grupos fechados do Facebook (55%) do que todos os adultos online.

Entre os usuários de Internet, motores de busca são a fonte mais importante de informação (93%), seguidos de recomendações online (39%) e comentários dos usuários (36%). Reviews pessoais são considerados mais importantes do que reviews feitos por críticos e jornalistas em meios de comunicação mais amplos (25%).

Entretanto, entre aqueles que dizem fazer uso de sites de recomendação online, eles mais lêem do que escrevem. 56% das pessoas que compram produtos online dizem que muitas vezes lêem comentários de usuários antes de fazer a compra, em comparação com um em cada dez (11%) que geralmente fazem análises.

A pesquisa pode ser acessada na íntegra (em inglês) no site da Ofcom.

Mario CavalcantiTablet faz uso de Internet crescer entre idosos, diz estudo britânico