Mario Cavalcanti
por — 13/03/2010 em Notícias

Estadão faz reforma gráfica impressa e online

Veículo integra redações e passa a tratar editoriais como se fossem comunidades

DivulgaçãoRIO DE JANEIRO (Da Redação), 13 de março – O Estadão colocou no ar na noite deste sábado (13) sua nova versão online. Fruto da reforma gráfica que compreende também a edição impressa, o Estadão.com.br passou ainda por mudanças conceituais.

Segundo Pedro Doria, editor-chefe de conteúdos digitais do Grupo Estado, a reforma não é apenas gráfica, mas também altera os princípios que norteiam desde a edição até a maneira como a redação pensa e trabalha. Entre as principais mudanças citadas está a integração da redação. "Como já ocorre com o Link (editoria de tecnologia) e com Economia, vamos avançar no processo de integração. O repórter apura tanto para o papel, quanto para o digital, e damos com cada vez mais frequência nossos furos na Web antes do papel. Estamos adotando um 'relógio da notícia': no segundo, a notícia vai para a broadcast, o sistema de notícias pago da Agência Estado; no minuto, para o site e para a Rádio Eldorado; no dia, para O Estado de S. Paulo e para o Jornal da Tarde. A consequência é que o site passa a contar com o trabalho de 700 jornalistas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, além de várias capitais do Brasil e do mundo", conta Doria.

Outra aposta da nova fase do veículo é o tratamento das editoriais como se fossem comunidades. "O Twitter passou à frente de Yahoo! + Bing e já é a segunda maior fonte de acessos externos que temos, hoje. Agora, estamos criando uma equipe de moderação. Não é só para conter os trolls. O objetivo é enxergar nossas principais editorias não como 'editorias', mas como comunidades. A comunidade de quem se interessa por política, economia, tecnologia, futebol etc. Queremos os leitores conversando mais no site e, para isso, estamos dedicando uma equipe para investir nessa relação", revela.

Em uma mudança de princípios significativa, o jornal também pretende indicar novos rumos para o público visando o aprofundamento do conhecimento. "Pretendemos 'editar' aInternet para nossos leitores, indicando o melhor para ler em cada assunto fora do Estadão.com.br. Isso tem a ver com um princípio que estamos adotando segundo o qual não vemos e não queremos ver o Estadão.com.br como um 'portal', um lugar onde a navegação do leitor começa, se concentra e termina. É um nó da Internet, o que nos levará a ampliar nossa presença em outras redes.", explica Doria.

Um vídeo explicativo informando as principais mudanças foi produzido pela equipe e pode ser assistido aqui. JW.

Mario CavalcantiEstadão faz reforma gráfica impressa e online