Mario Cavalcanti
por — 24/11/2009 em Notícias

Jornal Zero Hora investe em jornalismo local

Tecnologia registra, em mapa, local de onde notícias foram enviadas via celular

DivulgaçãoRIO DE JANEIRO (Da Redação), 24 de novembro – O Grupo RBS, responsável por alguns jornais da região sul como a Zero Hora e o Diário Catarinense,  ormou uma parceria com universidades para investir em jornalismo local.

Através do projeto Locast, acessado pelo site do jornal Zero Hora, é possível encontrar notícias a partir de um mapa de Porto Alegre, marcadas nos locais de onde foram enviadas. O experimento é uma parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e a TIM.

Na atual fase do projeto, o site é abastecido por vídeos produzidos por sete jornalistas do veículo e por 25 alunos da Faculdade de Comunicação Social da PUCRS. Os participantes utilizam celulares fornecidos pela TIM para enviar as notícias. Os aparelhos produzem vídeos, transmitem o conteúdo pela Internet e, ao mesmo tempo, localizam onde o material foi produzido. Cada conteúdo se transforma, no site, em um ponto verde marcado no mapa. O leitor pode, então, procurar as notícias do seu bairro ou próximas ao seu local de trabalho.

LOCAST NA PRÁTICA

Durante o temporal que atingiu a capital na última quinta-feira, por exemplo, o Locast mostrou imagens dos pontos de alagamento com informações enviadas por quem estava na rua.

Um vídeo mostrou os postes caídos na Avenida Ipiranga que provocaram o bloqueio da via durante a tarde.

No futuro, o site convidará os leitores a enviar seus relatos. O usuário mandará seu vídeo por diversos modelos de celulares – atualmente, o sistema utiliza smartphones com a plataforma Android ligados à rede 3G -, ou mesmo pelo próprio site, utilizando conteúdos captados por suas câmeras. A ferramenta será um espaço de compartilhamento de informações sobre assuntos do cotidiano.

– Como o jornalista não pode estar em todos os momentos em todos os lugares, há relatos que não aparecem. Não há tempo para exibi-los e não há ninguém para captá-los. Por isso, chamamos de jornalismo cidadão. As pessoas ajudarão os jornalistas a contar as histórias – afirma o professor Eduardo Campos Pellanda, coordenador do projeto pela PUCRS.

A tecnologia, desenvolvida pelo Mobile Experience Lab (MEL) do MIT, está passando por seu segundo teste. Antes de Porto Alegre, o Locast foi utilizado em Veneza, na Itália. Na parceria com a italiana RAI, entretanto, o foco era enriquecer os itinerários turísticos. JW.

Mario CavalcantiJornal Zero Hora investe em jornalismo local