Mario Cavalcanti
por — 08/07/2008 em Notícias

Reportagem testa proteção dos antivírus contra spams

Folha de S. Paulo investigou principais assuntos e provedores usados em mensagens

O jornal Folha de S. Paulo divulgou uma reportagem na qual investiga os tipos de spams mais utilizados para distribuir vírus e aplicar golpes pela Internet. Segundo a matéria, os assuntos mais usados para atrair internautas são "mensagens de supostas autoridades da Nigéria, comunicados falsos de bancos, ofensas, métodos para aumento de pênis e iscas de cunho sexual".

Foram clicados links em contas do Gmail, do UOL e do Hotmail, três dos maiores provedores. Muitas vezes, ao abrir os links das mensagens, o jornal constatou que foram instalados programas suspeitos automaticamente. A falta de cuidado dos spammers também ficou evidente para a reportagem, pois havia erros de ortografia e problemas nos logotipos.

A reportagem também testou a validade dos antivírus utilizados para proteger os computadores dos problemas causados pelos spams. De acordo com a matéria, "todos os programas estavam com as atualizações de segurança disponíveis instaladas. AVG e avast! conseguiram identificar e remover boa parte dos softwares maliciosos (…)". A constatação da jornal foi que "quanto mais novo for o malware, menor é a chance de ele ser detectado pelos antivírus".

Mario CavalcantiReportagem testa proteção dos antivírus contra spams