Mario Cavalcanti
por — 12/10/2007 em Notícias

Futilidade ou não, já conquistou a Web

Ana Maria Negreiros fala sobre o cenário tocantinense de colunismo social online, febre no estado

Por Ana Maria Negreiros (*)

Imagem ilustrativa: a colunista social Alba Costa faz sucesso no meio online.É comum ver uma pessoa lendo o jornal e escondendo que a primeira página a ser lida é a de coluna social. O motivo é que por muitos anos o preconceito contra esse tipo de jornalismo foi saindo do aceitável e virando um mito, o de que coluna social é fofoca e fútil. Mas será isso mesmo?

Uma das áreas mais difíceis de serem produzidas no meio jornalístico, já que o profissional é preparado para trabalhar sem utilizar adjetivos, o colunismo social foge de todas as regras jornalísticas e passa a evidenciar pessoas. Hoje, as revistas mais vendidas são exatamente as de fofocas. As que trazem informações sobre a vida das celebridades, ricos e famosos. E essa onda, de saber o que acontece com o outro, qual roupa estava vestindo em um evento, se estava na moda ou não, ou com quem estava, tornou-se um negócio rentável pelo alto índice de leitura e procura.

No Tocantins, que é um dos estados a engatinhar no jornalismo online, o colunismo social tornou-se mais evidente no ciberespaço do que no meio impresso. Em Palmas, pessoas comuns têm sua noite de glória ao serem clicadas por algum dos sites que trabalham nessa linha. Durante os eventos, seja em uma boate, em um show ou até mesmo em festas particulares, a onda é ser clicado e receber um cartão com o endereço do site.

O interessante é que são disponibilizadas as fotos, a "celebridade" momentânea passa a divulgar que sua imagem está no site tal e os amigos acessam. Quando a foto está boa, rapidamente o download. Como os registros expostos são de baixa qualidade, o internauta entra em contato com o site e compra o conteúdo com qualidade de impressão. O que era para ser apenas a cobertura jornalística, tornou-se um negócio rentável, sendo exemplo de empreendedorismo digital.

Imagem ilustrativa: site da colunista social Jaciara Barros.Destacam-se como projetos desse modelo diversos sites tocantinenses, como o Jaciara Barros e o Alba Costa, ambos de autorias das colunistas homônimas. Mas o pioneirismo ficou por conta do site Você D+, o primeiro a surgir no estado, demonstrando que havia uma área em aberto no ciberespaço e um público que buscava não apenas notícias, mas também ver-se como notícia. O sucesso do Você D+ fez com que o site fosse ampliado também para o estado de Goiás. Hoje, a cobertura dos eventos na capital, Goiânia, também chama atenção.

O Jornal Mulheres, que também faz cobertura de eventos, registrando desconhecidos e colocando-os na Internet, tem um modelo diferenciado. Além de conquistar o internauta por ele ter a chance de estar ali, como notícia, o site oferece dicas de beleza, saúdes e curiosidades, contando também com matérias jornalísticas. O acesso ao site fica por conta das mulheres.

O público jovem monta sua agenda e sabe onde ir nos finais de semana navegando pelo Universo Jovem, um projeto que orienta este público e também faz coberturas dos eventos. Ao contrário dos outros, o Universo Jovem oferece ao seu internauta, que os contratam para cobertura, uma novidade que tem atraído os olhares dos tocantinenses: um telão que vai disponibilizando em tempo real fotos e comentários do evento em questão. Quem está na festa, se vê no telão, e quem está em casa, sabe se vale ir até o local ou não, já que a cobertura é feita na hora.

Os projetos de colunismo social tornaram-se o grande atrativo do ciberespaço tocantinense, a oportunidade de aparecer num veículo informativo, que antes ficava apenas para ricos, famosos, celebridades e autoridades. E também uma chance para o profissional demonstrar seu empreendedorismo na área de comunicação, trabalhando com um público segmentado, e mostrando que coluna social não é futilidade e muito menos um espaço para fofocas, mas sim, um trabalho sério, que requer cautela e profissionalismo.

*Ana Maria Negreiros é jornalista, especialista em Marketing Estratégico e colunista da revista PQN.

Mario CavalcantiFutilidade ou não, já conquistou a Web