Mario Cavalcanti
por — 08/11/2006 em Notícias

Palestra no RJ abordou noticiário SMS

Evento faz parte da Mostra de Publicidade e Propaganda e Jornalismo, realizada pela Facha, e abordou ainda o poder dos blogs

Como parte da Mostra de Publicidade e Propaganda e Jornalismo, que está sendo realizada no campus 3 das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, Valéria Rehder, do Globo.com, e Leandro Mazzini, do JB Online, falaram, respectivamente, sobre noticiário SMS e weblogs.

Responsável pela área de noticiário via SMS (Short Message Service ou, como é mais conhecido, torpedo) do Globo.com, Valéria explicou para os alunos de Comunicação Social da faculdade, entre outras coisas, como o conteúdo é pensado para esse ambiente móvel.

– A notícia deve ter em torno de 110 caracteres e é tratada como se fosse o título de uma matéria, mas sem perder o sentido e sem deixar o leitor com dúvidas (…) Somos uma equipe enxuta, de 10 pessoas, que cuida exclusivamente disso – explica.

Entretando, serviços noticiosos via SMS parecem ser ainda, aqui no Brasil, uma espécie de caixa preta.

– As operadoras funcionam como uma espécie de agência, distribuindo o conteúdo dos veículos (…) Não temos acesso ao número de usuários e muito menos ao retorno financeiro. As operadoras ainda não divulgam esses dados por questão de privacidade – conta a jornalista.

Após a palestra de Valéria, Leandro Mazzini, que trabalha nas editorias "País" e "Política" e ainda assina um weblog literário no JBlog – portal de blogs do JB Online, lançado no fim do ano passado -, contou casos onde o uso dos blogs por jornais é benéfico.

– Acho que é uma tendência os jornais lançarem os seus blogs (…) Existe uma liberdade que faz bem ao veículo. Com essa liberdade, os jornalistas que possuem blogs podem na pauta do dia do jornal, contribuir com o editorial – diz Mazzini.

As palestras foram seguidas de perguntas ligadas a questões como credibilidade e relação conteúdo-publicidade. A Mostra de Publicidade e Propaganda e Jornalismo começou na terça-feira, 7, e vai até esta quinta-feira, 9. JW.

Nota do editor:

Em email de esclarecimento, a fim de não deixar dúvidas, a jornalista Valéria Rehder acrescentou que a notícia em SMS não é produzida a partir de um título.

– O que eu disse, ou pelo menos tentei, é que o SMS não é o mesmo que um título, já que precisa contar toda uma história, começando e terminando em si mesmo. O título, por outro lado, tem um texto abaixo, não há a obrigação de dizer muito – diz Valéria. Mario Lima Cavalcanti.

Mario CavalcantiPalestra no RJ abordou noticiário SMS